Entidades fazem manifestação na Alepe para lembrar dois meses do assassinato de Sandro Cipriano

28/08/2019 - Redação Gestos

Representantes da Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais (Abong), entidades da Sociedade Civil Organizada, militantes dos direitos LGBTI+ e integrantes da Comissão de Direitos Humanos da ALEPE fizeram na tarde desta quarta-feira (28/08), no Plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), uma manifestação para lembrar os dois meses do assassinato do educador e militante LGBTI+ Sandro Cipriano, morto no dia 28 junho de 2019, no município de Pombos, na Zona da Mata de Pernambuco, e cobrar medidas efetivas para combater a LGBTFobia no Estado de Pernambuco.

A sociedade civil organizada exige medidas concretas para combater a LGBTFobia e os crimes com esta motivação. Segundo dados divulgados pela Secretaria de Defesa Social, 963 pessoas foram vítimas de violência motivada por LGBTfobia em Pernambuco em 2018. Em 2019, até o mês de junho, 478 pessoas foram vítimas de violência com a mesma motivação. O Recife é a cidade com maior número de registros de violência por LGBTFobia, com 450 casos entre janeiro de 2018 e junho de 2019.

Os movimentos sociais também querem um posicionamento formal do Governo de Pernambuco sobre as 10 audiências públicas sobre políticas sociais para a população LGBTI+ já realizadas pelo Ministério Público de Pernambuco (MP-PE). Apesar de ter inserido, através de decreto (Nº 39.542/2013), a LGBTfobia nas fichas de notificação de crimes desde 2013, na prática os homicídios com esta motivação ainda são subnotificados em Pernambuco. Sem dados oficiais não é possível planejar políticas públicas eficazes que atendam a população LGBTI+, invisibilizando este tipo de violência.

Quem foi Sandro Cipriano?

Além de sua atuação na ONG Serta (Serviço de Tecnologia Alternativa) – onde era professor no curso de Agroecologia; da atuação em defesa da agricultura familiar e dos direitos LGBTI+, e de fazer parte da diretoria da Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais em Pernambuco (Abong-PE), Sandro Cipriano era presidente da Rede LGBTI+ de Pombos e coordenador da Rede LGBTI+ do Interior de Pernambuco – que ajudou a formar e fortalecer e reúne ativistas de vários municípios do estado. Cipriano considerava prioritária a valorização das políticas de defesa dos direitos LGBTI+ e a interiorização destas ações.