Articulação Política

Fomento de demandas sociais através de mobilização, monitoramento e avaliação de políticas públicas

Constituída no segundo semestre de 1996, no Recife, a Articulação AIDS Pernambuco é o primeiro fórum de articulação política do movimento de luta contra a AIDS no Brasil, congregando organizações da sociedade civil organizada, redes, movimentos e ativistas independentes que atuam no campo da prevenção às ISTs e ao HIV, bem como na assistência às pessoas acometidas pela AIDS.
A Frente pela Diversidade é formada por diversas entidades da sociedade civil - entre elas a Gestos - e atua no combate a iniciativas e projetos de lei contrários à diversidade em sua essência. Com reuniões periódicas, a Frente articula ações em prol das pessoas LGBTTI, monitora o trabalho desenvolvido por entidades públicas e é responsável pela organização da Parada da Diversidade, que acontece anualmente no Recife.
Fundado no Recife em 2004, o Fórum de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) de Pernambuco reúne representantes de movimentos sociais que atuam na defesa dos direitos humanos da população LGBTTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transgêneros e intersexos). A atuação do Fórum inclui propor e monitorar a implementação de políticas públicas especificas para a população LGBTTI.
O Conselho Municipal de Saúde do Recife (CMS-Recife) é o órgão responsável pela fiscalização, proposição e deliberação das políticas públicas de saúde do município. O CMS-Recife é composto por 48 conselheiros, sendo 24 titulares e 24 suplentes, representantes dos segmentos usuários, trabalhadores, gestores e/ou prestadores dos serviços de saúde do Recife.
Com eleições realizadas a cada dois anos, o Conselho Estadual de Saúde atua na formulação de estratégias, controle e fiscalização da execução da política estadual de saúde, inclusive nos aspectos econômicos e financeiros. A Gestos participa do Conselho em caráter consultivo e com direito a voto.
Aliança entre grupos da sociedade civil, redes de mulheres vivendo com HIV, organizações de mulheres, organizações de serviços em AIDS e o sistema Nações Unidas, todos comprometidos em fortalecer o desenvolvimento de programas específicos para mulheres. Sua missão é mobilizar lideranças para influenciar leis, políticas, programas e financiamentos para promover ações que propiciem a garotas e mulheres o poder de se prevenir da infecção do HIV e para que tenham vida plena e produtiva quando vivendo com HIV.
Reunião de lideranças do movimento de ONG/AIDS de diversas partes do Brasil para avaliar o andamento dos compromissos assumidos pelo governo brasileiro diante da Assembléia Geral das Nações Unidas para o HIV/AIDS. Além do acompanhamento das ações do Programa Nacional de DST/AIDS, informações referentes ao direito sexual e reprodutivo das mulheres são fundamentais, uma vez que o exercício desses direitos é um dos aspectos essenciais para a redução da vulnerabilidade ao HIV. Assim, o Fórum atua também para identificar essas lacunas bem como os avanços e, com base nesses dados, definir uma pauta de incidência política.
A Rede Brasileira pela Integração dos Povos é uma articulação de ONGs, movimentos sociais, entidades sindicais e associações profissionais que atuam sobre a política externa brasileira e os processos de integração regional e comércio. A iniciativa é comprometida com a construção de uma sociedade democrática pautada em um desenvolvimento econômico, social, cultural, ético e ambientalmente sustentável.
A LACCASO é a instituição responsável por desenvolver o trabalho de articulação política em rede na América Latina e no Caribe, região que registrava, até 2014, 1,7 milhão de pessoas infectadas pelo HIV, segundo dados do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS-UNAIDS. Sob a perspectiva dos Direitos Humanos, a LACCASO luta pela garantia de tratamento integral, baseando-se nos princípios da equidade, universalidade, gratuidade, integralidade, integração social e solidariedade.
Desde 1994, a Gestos participa da Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais (Abong), uma rede da sociedade civil sem fins lucrativos, democrática, pluralista, antirracista e anti-sexista, que congrega organizações que lutam contra todas as formas de discriminação, de desigualdades, pela construção de modos sustentáveis de vida e pela radicalização da democracia. A Abong se consolidou como espaço de interlocução com os poderes constituídos nacionalmente, sempre na defesa da radicalização da democracia e da justiça social.