Alessandra Nilo: “Acabar com a Aids é crucial para a promoção dos direitos humanos”

28/06/2019 - Redação Gestos

Alessandra Nilo, coordenadora da Gestos, participa em Genebra da 44ª Reunião do Conselho Diretor da Unaids (44º PCB Unaids), em Genebra (Suíça). Representante das entidades da sociedade civil da América Latina e Caribe no PCB, Alessandra Nilo defendeu o fortalecimento da Unaids para enfrentar os desafios que representam a epidemia de Aids atualmente no mundo. Alessandra destacou como a missão do UNAIDS ainda é relevante para responder à epidemia de HIV/Aids que, infelizmente, ainda está longe de terminar.

“Chegou a hora de sermos fortes. Acabar com a Aids não é apenas uma parte da equação da Agenda Global de Desenvolvimento Sustentável, mas é crucial para a promoção dos direitos humanos para todos, em todos os países”, ressaltou Alessandra Nilo em seu discurso na abertura do evento, ressaltando que a reunião do conselho do Unaids exige que os estados-membros continuem a investir nas respostas ao HIV baseadas em direitos humanos e na comunidade.

“Num momento em que muitos países fracassam na implementação de políticas de prevenção ao HIV abrangentes e baseadas em evidências, com o aumento da preocupação sobre a incidência do vírus entre a população-chave (incluindo mulheres jovens e meninas), é essencial fortalecer a capacidade das organizações e das comunidades que, quando enfrentam o HIV/Aids, também estão enfrentando as desigualdades em contextos políticos difíceis que têm prejudicado toda a Agenda 2030. Invisibilidade, silêncio, estigma e discriminação já mataram pessoas suficientes”, ressaltou Alessandra Nilo, que participa do PCB como representante das entidades da sociedade civil da América Latina e Caribe.

O que é o PCB Unaids

PCB é uma abreviação da sigla em inglês Programme Coordinating Board e consiste num conjunto de representantes que definem todas as questões programáticas referentes a política, estratégia, finanças, acompanhamento e avaliação do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Essa Junta de Coordenação é formada por representantes de 22 governos de todas as regiões geográficas, das agências copatrocinadoras e cinco representantes de organizações não governamentais, incluindo associações de pessoas vivendo com HIV. O PCB Unaids tem, entre outras atividades, a função de estabelecer políticas e prioridades gerais para o Programa Conjunto da Unaids, levando em consideração as disposições da resolução da Assembleia Geral 47/199.

Sobre a Gestos

Criada em 1993, no Recife/PE, a Gestos atua há 26 anos na defesa e na promoção de direitos sexuais e direitos reprodutivos (DSDR), a partir de uma perspectiva feminista, compreendendo-os como fundamentais para a prevenção do HIV e para a promoção de políticas voltadas para a melhoria das condições social, política e econômica das pessoas.

Oferecemos serviços para pessoas vivendo com HIV (atendimento psicoterapêutico, acompanhamento social e jurídico) e implementamos ações voltadas às populações vulneráveis ao HIV em comunidades de baixa renda da Região Metropolitana do Recife. Em 2015, A Gestos inaugurou um serviço especializado no apoio de jovens e adolescentes no campo dos direitos sexuais e reprodutivos. Também atua na promoção de direitos das pessoas LGBT, com projetos que defendem a igualdade, o fim do preconceito e da violência contra essa população e a igualdade de direitos.

A Gestos é pioneira no debate sobre a relação entre violência de gênero e a Aids, liderando desde 2007 a campanha “Mulheres não esperam mais – acabemos com a Aids e com a violência contra as mulheres”. Monitora no campo internacional as agendas das Nações Unidas desde 2001 e desenvolve projetos de fortalecimento da sociedade civil para o seguimento das políticas internacionais em mais de 20 países.

A participação inclui a representação nas delegações brasileiras na ONU sobre Aids, na Comissão sobre Situação da Mulher (CSW), na Comissão de População e Desenvolvimento e na Força Tarefa para o Cairo+20 – com o objetivo de atuar junto a governos, sociedade civil e agências da ONU para garantir que a agenda de Direitos Sexuais e Reprodutivos esteja entre as prioridades das políticas internacionais. Entre os esforços da ONG estão o de melhorar e aumentar a influência das mulheres em processos de decisão em nível local, nacional e internacional.

Em 2017, a Gestos foi aceita como entidade com status consultivo no Conselho Econômico e Social (ECOSOC) da Organização das Nações Unidas (ONU). O conselho é o principal órgão coordenador das atividades econômicas, sociais e conexas dos 14 organismos especializados das Nações Unidas, das suas comissões técnicas e das suas cinco comissões regionais, sendo o principal fórum para a discussão de questões econômicas e sociais e para a elaboração de recomendações práticas sobre essas questões dirigidas aos Estados-Membros e ao Sistema ONU.

Com esse status, a ONG junta-se a outras entidades que têm a oportunidade de expressar suas opiniões e influenciar o trabalho do ECOSOC, podendo participar de conferências e outros eventos internacionais, fazer declarações escritas e orais nesses eventos, organizar eventos paralelos, entrar nas instalações das Nações Unidas, beneficiar-se de oportunidades para construir redes e participar em grupos de pressão.

Foto: Alessandra Nilo fala no 44º PCB UNAIDS, em Genebra (Junho/2019) – foto da Assessoria de Comunicação da UNAIDS