Entidades discutem Plataforma Cairo+25 Brasil em encontro na Gestos

19/08/2019 - Redação Gestos

Representantes de diversas entidades participaram, nos dias 15 e 16 de agosto, na sede da Gestos – Soropositividade, Comunicação e Gênero, no Recife, do encontro da Rede Regional Nordeste da Plataforma Cairo+25 Brasil. A Plataforma – aprovada em 2018 – visa ampliar a participação da sociedade civil e da comunidade científica no levantamento crítico sobre os avanços, desafios e lacunas encontrados quando se completam 25 anos do Plano de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), ocorrida no Cairo, em 1994.

Este é o primeiro evento do tipo no Nordeste e contou com a participação de representantes de entidades de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Bahia. O objetivo é completar 15 eventos, em todas as regiões do Brasil, até o mês de outubro. Segundo Richarlls Martins – coordenador da Rede Brasileira de População e Desenvolvimento (REBRAPD), ao final de todos os encontros será produzido um documento relatando a situação do país que será encaminhado para a Organização das Nações Unidas (ONU).

“Foi interessante perceber a questão da regionalização das desigualdades. Ficou clara a necessidade de territorializar a agenda, aproximando das comunidades mais periféricas. A CIPD do Cairo falou da necessidade de colocar as pessoas no centro do processo de desenvolvimento. Só existe desenvolvimento sustentável quando se pensa nas realidades locais”, destacou Richarlls Martins.

Martins também ressaltou que iniciar a série de reuniões pelo Nordeste é significativo, pois a região ainda tem indicadores socioeconômicos bastante diferentes do restante do Brasil. “O atual contexto é de dificuldades para implementar a agenda de Populações e Desenvolvimento. É preciso garantir a continuidade das políticas existentes, numa defesa clara do ‘nenhum direito a menos’”, explicou, sem esquecer que no Brasil atual a produção de dados para subsidiar as políticas públicas está sendo afetada.

Cenário atual

Se há 25 anos, na CPID do Cairo de 1994, o Brasil teve papel importante na elaboração das propostas que resultaram no documento final do encontro, atualmente o cenário é de encontrar caminhos para implementar a agenda numa articulação mais direta com os governos locais, estaduais e municipais, e focar no Parlamento em busca de garantir pautas que defendem uma sociedade mais igualitária. “No cenário atual, o diálogo com o governo federal não tem sido a melhor estratégia”, reconhece Richarlls Martins.

É nesse contexto que a Plataforma Cairo+25 pretende colocar em perspectiva tanto as determinações do documento de 1994, quanto a situação vivida pelo Brasil e o contexto atual mundial em 2019, para levar essa avaliação para o CPID de Nairobi, no Quênia, no mês de novembro.