Atuação local

Atividades educativas e de ativismo sobre formação política e saúde sexual

Espaço Saúde

O Espaço Saúde e Sexualidade para Jovens e Adolescentes é um programa da Gestos voltado para jovens com idades entre 12 e 29 anos, para esclarecer qualquer dúvida ou questão referente à saúde sexual e reprodutiva, Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e HIV/Aids, com uma equipe formada por enfermeira especializada em Saúde Pública e psicóloga.

Jovens entre 18 e 29 anos também podem fazer o testes de HIV. Neste caso, é realizado o aconselhamento pré e pós teste e se a sorologia for positiva para o HIV, a Gestos encaminha a pessoa para o atendimento de psicologia e assistente social – com orientação e encaminhamento para o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) para realização do teste de confirmação e início do tratamento. O atendimento no Espaço Saúde é gratuito e feito com hora marcada, através do telefone (81) 3421-7670.

Coque Camisinha Feminina

Projeto de esclarecimento e incentivo ao uso do preservativo feminino, que dá às mulheres o poder de se proteger sem depender da boa vontade ou da necessidade de convencer seus parceiros sobre a importância da camisinha. A Gestos capacita mulheres da comunidade do Coque, no Recife, para atuarem como multiplicadoras de informações sobre direitos sexuais e reprodutivos e a respeito do uso do preservativo feminino.

Os profissionais de saúde que atuam nos postos de saúde locais também participam de oficinas direcionadas, de modo a ajudar a combater o estigma enfrentado pelo preservativo feminino. A popularização do uso da camisinha feminina pode ajudar a diminuir as infecções por HIV em mulheres. Diferente do preservativo masculino, a camisinha feminina não está disponível para venda, mas é distribuída a qualquer pessoa que solicitar nas redes de saúde municipal, estadual e federal de saúde.

Zika Coelhos

Grupo de mulheres da comunidade dos Coelhos, no Recife, capacitado pela Gestos sobre direitos sexuais e reprodutivos relacionados ao vírus Zika. Financiado pelo UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas) e pelo Governo do Japão, a iniciativa abrange também discussões sobre saúde ambiental e determinantes sociais de saúde, entre outras abordagens referentes às arboviroses.

Debates sobre as condições sociais vivenciadas no bairro, questões relativas à discussão de gênero e sobre os direitos garantidos às mulheres e às famílias de alguma forma afetadas pelo Zika vírus também fazem parte das vivências do projeto. As mulheres capacitadas se transformam em multiplicadoras das informações compartilhadas nas oficinas e encontros.

GTs em Ativismo

Os GTs em Ativismos visam a formação política de pessoas vivendo com HIV e Aids, com o objetivo de fortalecer sua capacidade de incidir politicamente e praticar o controle social nas políticas públicas. Em 2010, iniciamos um novo formato na realização do trabalho, dividindo o grupo em um GT para mulheres e outro intitulado Diversidade, que congrega travestis e homossexuais masculinos. Essa mudança visou proporcionar maior empoderamento dos sujeitos políticos envolvidos, especialmente as mulheres, garantindo a inclusão para temas mais específicos ao perfil de cada grupo.

De 2010 até agora, os/as integrantes participaram dos Conselhos de Saúde (estadual e municipal) da Mulher, da Articulação Aids Pernambuco, do Fórum de Mulheres de Pernambuco, Conselho de Direitos Humanos e RNP+ Pernambuco. Ademais, duas participantes do GT Mulheres passaram a integrar o Comitê Consultivo do Plano de enfrentamento a Feminização da AIDS do Estado. Um participante do GT Diversidade está integrado ao Plano Estadual de Enfrentamento das ISTs e Aids entre gays, HSH e travestis.

Grupo de Ativismo Jovem

No Espaço Saúde e Sexualidade para Jovens e Adolescentes, jovens soropositivos com idades entre 12 e 29 anos podem fazer parte do Grupo de Ativismo Jovem, com acompanhamento psicológico individual e em grupo e diversas atividades de mobilização e esclarecimento sobre direitos, tratamento do HIV/Aids e questões que envolvem a saúde sexual e reprodutiva.

O grupo participa de atividades em unidades de saúde, escolas, universidades, entre outros ambientes, sempre esclarecendo questões sobre o HIV/Aids e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

Serviço Social

O primeiro atendimento na Gestos às pessoas que vivem com HIV/Aids (PVHA) é realizado pelo Serviço Social. Nesse momento, é feita a identificação das condições sociais e econômicas das pessoas que chegam à instituição, o acolhimento às demandas pela violação de direitos e o esforço por respondê-las, seja por meio dos serviços oferecidos (social, psicológico e jurídico), pela articulação com outras ONGs, visando a garantia do acesso dessas PVHA às Políticas Públicas. O atendimento social estende-se também a visitas hospitalares e ao acompanhamento social das famílias em suas casas.

O Serviço Social desenvolve ações socioeducativas e político-pedagógicas junto às pessoas usuárias e às suas comunidades. Articuladas com diversos setores, essas ações estabelecem relação com outras políticas públicas visando a garantia dos direitos e a cidadania das PVHA. A ação profissional do Serviço Social da Gestos se concretiza com a implementação de políticas públicas e na articulação/mobilização dos movimentos sociais.

Atendimento psicossocial

As pessoas afetadas pelo vírus HIV, causador da Aids, principalmente aquelas que vivem em situação de vulnerabilidade social, apresentam demandas de sofrimentos psíquicos bastante acentuadas, como medo, solidão, isolamento, depressão, melancolia, ansiedade, angústia, estados psicóticos, pânico, entre outros.

O impacto da soropositividade ameaça os processos subjetivos essenciais para o desenvolvimento humano, o que aponta para a necessidade de um cuidado específico por parte das/os profissionais de saúde, principalmente das/os psicólogas/os. O atendimento psicológico na Gestos é realizado com crianças, adolescentes e adultos, em sessões individuais ou em grupos.

Assessoria jurídica

Atendimento que visa contribuir para a garantia dos direitos humanos das pessoas soropositivas para o HIV e para a defesa dos Direitos Humanos desta população, por meio do incentivo de sua mobilização política e do acesso à Justiça. Atendimento jurídico aos/as participantes/as da Gestos; realização de oficinas e discussões sobre Direitos Humanos; capacitação de profissionais e estudantes de Direito sobre a temática dos Direitos Humanos e AIDS são algumas das atividades da Assessoria.

Cerca de 70% das pessoas que procuraram o serviço jurídico tiveram seus direitos reparados na Justiça. A Assessoria tem contribuído para a consolidação dos grupos de ajuda mútua, para articulação e intervenção nas políticas públicas, para a denúncia de preconceitos, para a reparação e para a divulgação dos direitos das pessoas que vivem com HIV e AIDS, o que é uma ação forte da Gestos.