Sociedade civil conquista mecanismo de participação no Cepal

20/04/2018 - Redação Gestos

Durante toda esta semana, a Gestos participou ativamente das atividades do Cepal (Fórum Regional de Países da América Latina e do Caribe para o Desenvolvimento Sustentável), que acontece na cidade de Santiago, no Chile. Alessandra Nilo, coordenadora da Gestos, e Jair Brandão, assessor de projetos institucionais da ONG, acompanharam as conferências juntamente com outras entidades da sociedade civil organizada da América Latina e levaram as pautas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) para o debate.

Entre os avanços e conquistas alcançadas no fórum está a aprovação da criação de um mecanismo de participação da sociedade civil para o Cepal. “Uma comissão transitória trabalhou no documento desde o ano passado e apresentou a proposta de Objetivo, Princípios Transversais, Coordenação, Filiação, Comunicação, dentre outras questões importantes. O ponto fundamental e mais discutido foi a questão da estrutura de coordenação deste mecanismo, que o papel importante de contribuir para garantir que a sociedade civil da região da América Latina e do Caribe esteja presente nos espaços regionais relevantes de seguimento da Agenda 2030 e dos ODS, através de comunicação para Cepal/Governos até a Assembleia Geral”, explica Jair Brandão.

A proposta aprovada prevê a participação de 20 segmentos da sociedade civil, que ficaram relacionados da seguinte forma:

– 4 representantes de grupos regionais (territorialidade) – 1 da América Central, México e Caribe falantes da língua espanhola; 1 do Caribe anglófono e francófono; 1 da América Andina; 1 Conesul;
– 15 representantes de 15 grupos de trabalhos: Mulheres e Gênero; Pessoas Vivendo com HIV e Aids ou afetadas pelo HIV; LGBTI; Pessoas agricultoras, de zonas rurais e costeiras; Jovens, adolescentes e crianças; Migrantes e pessoas desterradas por desastres ou conflitos; Trabalhadores/as e sindicatos, trabalhadoras/es sexuais e outras; Pessoas afrodescendentes; Cooperativas de economia solidária; Educação, ciência e tecnologia; Pessoas com deficiência; Povos indígenas; Pessoas adultas/maiores; Redes de ONGs; Defensores de Direitos Ambientais.

Na mesma reunião, uma comissão foi eleita para finalizar toda a proposta e os encaminhamentos para que o Mecanismo seja colocado em prática.

As entidades da sociedade civil se reuniram ainda para a produção de uma carta aberta, na qual reivindicam espaço dentro dos debates do Fórum Cepal e denunciam a tentativa de excluir a sociedade das discussões sobre desenvolvimento dos países da América Latina.

Confira aqui